Vereador Edivalder contesta ações do governo mineiro

Temos de pensar na universidade como a principal bandeira da cidade na área da educação e pensar nela com vinte ou trinta cursos, como foi planejado

Publicado em: 01 de novembro de 2017

O pronunciamento do vereador Edivalder Fernandes da Silva na parte final da sessão do dia 30 de outubro chamou a atenção da população para o sucateamento da UEMG e para algumas ações que vem sendo desenvolvidas pelo governo de Minas Gerais que podem causar sérios prejuízos ao crescimento da universidade. Ele argumentou que, em respostas oriundas do Poder Executivo a requerimentos dos vereadores, foi mencionado um projeto de lei de autoria do deputado Arnaldo Silva Júnior, que está em tramitação na Assembleia Legislativa e devolve uma área do estado ao município para a criação de um distrito industrial.
Edivalder comenta que já se posicionou sobre o assunto com a prefeita e se disse contrário por acreditar que essa medida está sucateando Frutal, já que a proposta do Projeto de Lei 4.226 faz a transferência de uma área que seria usada para cursos futuros da UEMG. "Essa área era para implantar cursos na área da Área de Agronomia e outros. Implantar um distrito industrial nessa localização privilegiada é prejudicar ainda mais o Hidroex e a Cidade das Águas. Frutal está sendo sucateada pelo governo estadual agora com apoio do governo municipal."
Segundo Edivalder, enquanto grandes universidades doam áreas próximas de quarenta hectares para finalidades semelhantes, em Frutal isso está sendo retirado. "No popular, tira a roupa de um santo para vestir outro. Será que não temos de pensar num distrito industrial sem que Frutal perca essa área? Sou totalmente contra. Acho que precisamos pensar no crescimento da UEMG e não cortar o que já existe. Temos de pensar na universidade como a principal bandeira da cidade na área da educação e pensar nela com vinte ou trinta cursos, como foi planejado. Sem a área física não vamos ter êxito. Peço que a prefeita desista dessa ação, pois está se criando esse distrito industrial para fazer palanque político. Creio que é necessária uma audiência pública onde o assunto seria debatido com a comunidade," afirma Cheiroso.


Publicado por: Assessoria de Imprensa

Cadastre-se e receba notícias em seu email