Nei Vicentino cobra da COPASA o saneamento de Aparecida de Minas

Publicado em: 23 de maio de 2016

Nei Vicentino cobra da COPASA o saneamento de Aparecida de Minas Como é de conhecimento de todos, a vida daqueles que residem em comunidades populosas e urbanizadas não é possível sem o mínimo de saneamento básico. Ciente e zeloso de tais preocupações, o Vereador Neivaldo de Paula Camargos, popular Nei Vicentino expediu uma representação nesta segunda-feira, 23 de maio de 2016, endereçada ao diretor de operações da COPASA, o engenheiro Frederico Lourenço Ferreira Delfino, para esta região que compreende Frutal, solicitando que o representante não meça esforços para a realização e assinatura, em caráter de urgência, do contrato de concessão do fornecimento de água e esgotamento no Distrito de Aparecida de Minas “Entendemos ser de suma importância a interveniente ação daquela empresa estatal a fim de minimizar os problemas dos moradores aparecidenses, dando-lhes uma melhor qualidade de vida, com saúde. Não dá pra continuar da forma que é, pois a falta do devido saneamento básico, e a água é o principal elemento nessa questão, leva a má qualidade de vida com consequências danosas para a saúde, não só dos mal atendidos pelo serviço. A ausência de um bom serviço de água e esgoto implica em problemas sérios para a saúde pública e isso tem que ser combatido e corrigido.”, salienta Nei Vicentino. Neivaldo espera o pronto atendimento do diretor Frederico Lourenço e aguarda o breve retorno do executivo da empresa de saneamento básico do Estado de Minas Gerais detentora da concessão para o Município de Frutal. Nei também informa que está solicitando informações sobre a Taxa de Bombeiros cobrada de todo o comércio. O vereador entende que há falta de informação por parte do poder público quanto aos valores cobrados e também qual a destinação dos recursos arrecadados. “As taxas sobre prevenção e cobertura em sinistros tem onerado muito o funcionamento de comércios em geral, muitas vezes até tornando-os inviáveis economicamente para o pequeno comerciante. Além disso, não fica clara a destinação desta taxa que é apenas mais um dos inúmeros impostos recolhidos de um contribuinte já por demais penalizado e mesmo esgotado em não ver resultados práticos de sua contribuição. Enquanto isso, será que os bombeiros estão recebendo suporte necessário, pois os valores arrecadados deveriam ser totalmente vertidos para equipamentos e suporte técnico logístico dos militares que trabalham no setor e parece que tal não vem ocorrendo.”, alertou Nei Vicentino, que afirmou insistência no assunto.


Publicado por: Asscom

Cadastre-se e receba notícias em seu email